Youse Seguros – A armadilha do seguro barato, que custa mais caro

O seguro vendido por Youse Seguros, quando adequadamente comparados, são mais caros que a concorrência, aponta pesquisa

O site Youse seguros apresenta-se como a forma mais acessível e barato para consumir produtos de seguros no Brasil e diz que os seus custos são mais baixos do que os da concorrência, em virtude da ausência do Corretor de Seguros, no processo, combinada com a possibilidade de escolha das coberturas de interesse por parte dos clientes.

Uma pesquisa mais precisa, mostrou que os três argumentos são falsos; que o seguro vendido por Youse seguros, quando adequadamente comparados, são mais caros do que a concorrência; que Youse seguros é uma estrutura intermédia com os altos preços das operações e o cliente, em grande parte do País não pode adquirir as coberturas desejadas, sendo induzida, em alguns casos, a aquisição de produtos sem a proteção desejada, deixando-os expostos aos riscos de mais frequente, ocorrendo, na maioria dos casos de utilização de cofre, como o material de danos parciais causados aos carros do seguro e das pessoas, talvez, possam ser vítimas de alguma colisão causada pelo driver que contratou o seguro através da plataforma.

O preço de Youse é mais caro

Com o objetivo de verificar a veracidade das informações que o seguro de Youse seguros é mais barato foi realizada uma pesquisa usando dois dos modelos mais vendidos no Brasil.

A citação foi feita na praça de São Paulo e de Brasília, que são as únicas em que Youse seguros oferece a possibilidade de contratar a cobertura para danos materiais e parcial para o veículo do cliente, e que, por acaso, é vítima de um acidente causado pelo contratante.

Usamos o exemplo do carro Chevrolet Onix Hatch LT 1.0, ano de 2017, com uma cobertura de 100% da tabela Fipe para a perda total, R$-100.000,00 para Danos Materiais, R$-200.000,00 para Danos corporais. Além disso, a assistência, o carro de 200 km, carro de reserva, no período de 7 dias, o poder (faróis, lanternas e espelhos).

Para cada veículo analisado, o estudo considerou como perfil de um driver de homem, 35 anos de idade e divorciados.

Em São Paulo

Franquia (participação do segurado em caso de acidente, no montante de R$-2.386,00.

Youse – R$ 5.960,88 por ano;

IDH – R$ 3.948,63 e

Tokio Marine – R$ 3.986,92

Em Brasília:

Franquia (participação do segurado em caso de acidente com perda parcial, no montante de R$-2.634,00.

Youse – R$ 3.367,de 20 anos;

IDH – R$ 2.456,73 e

Tokio Marine – R$ 3.272,43

Para o carro HD20 Confort 1.0 , ano de 2017, com os mesmos critérios, como o exemplo anterior, o custo foi de:

Em São Paulo:

Franquia (participação do segurado em caso de acidente com perda parcial, no valor de R$ 3.300,00.

Youse – R$ 5.630,28 anos;

Allianz – R$ 4.173,82 por ano;

Tokio Marine – R$ 4.887,85

Em Brasília:

Franquia (participação do segurado em caso de acidente, no montante de R$-3.362,00.

Youse – R$ 3.508,de 32 anos;

IDH – R$ 3.356,14 e

Tokio Marine – R$ 3.620,46

Portanto, para dizer que o produto distribuído pela Youse seguros é mais barato não correspondem à realidade. O que é visto no Youse segurosé que as alternativas são pré-estabelecidos, limitando significativamente as opções de contratação para dar a impressão de um custo inicial mais barato, com o objetivo de atrair a atenção do consumidor, mas o que torna impossível para escolher a cobertura ideal. Quando incluída a cobertura ideal, o custo do seguro de Youse seguros foi maior do que alguns concorrentes.

Uma vantagem que o produto tem e que as outras companhias Aéreas não oferecem é o pagamento em 12 parcelas.

Sem um Corretor de Seguros é mais barato?

Com um marketing agressivo, a companhia de seguros diz que , através de seus atendentes, (Clique e ouça a gravação do atendimento Youse seguros) oferecem preços muito mais baixos, pois elimina a figura do Corretor.

Mas o Corretor de Seguros é o intermediário da mesma forma como Youse seguros, que distribui produtos da Caixa Seguros com custos elevados de tecnologia, marketing e pessoal de serviço, pois a maioria dos negócios foi fechado por telefone.

Os custos mostrados na comparação acima de provar que o fato de excluir o Corretor de Seguros não reduzir o custo do seguro Youse seguros, que na verdade é mais caro do que alguns concorrentes mais tradicionais.

O Youse seguros induz o consumidor a não comprar os tipos de seguros mais comumente utilizados

O Youse seguros não fornecem a cobertura para danos mais comuns e de maior incidência em quase todo o Brasil.

Apenas as cidades de São Paulo e Brasília) oferecem a possibilidade de o cliente contratar a proteção por perdas e parcial no próprio veículo e/ou daqueles que venham a ter seus carros danificados por colidir com um segurado Youse seguros, o mais amplamente utilizado e o de maior incidência no Brasil.

Em uma simulação de um cliente da cidade de Salvador, estado da Bahia, que demonstra interesse em adquirir a cobertura de seguro de Perda Parcial do seu veículo, combinado com Danos Materiais a Terceiros, para o caso de colisão com outro carro, o atendedor de Youse seguros entra em contato telefônico com o cliente potencial, explica que Youse seguros ainda não oferecem esse tipo de proteção na cidade onde ele reside, e tenta convencê-lo a comprar o seguro, sem a garantia e a aguardar o dia em que é possível adicionar essas proteções(isso ocorreu em 2017).

Ou está mesmo interessado na contratação de uma proteção mais completa, o consumidor é induzido a ficar sub segurado, exposto a riscos frequente, com base em uma estratégia agressiva para atrair novos negócios, o que, combinado com uma campanha publicitária é incrível, o plano de comunicação é muito bem modelados, pode causar sérios prejuízos para o consumidor, desassistido, tão frequentes no ambiente on-line.

O Youse seguros também não oferece a possibilidade para se proteger de Danos.

O disruptividade sucumbiu para a necessidade de fechar o negócio

O Youse seguros chegou no mercado posicionando-se como a Seguradora Online onde os consumidores contratariam seguro e totalmente através da internet, depois do qual se reposicionou como a Plataforma On-line da Caixa Seguradora, um intermediário entre a Caixa Seguros e o consumidor, e agora investe na humanização de seus serviços por abrir mão do modelo 100% on-line, de reunião e de uma boa parte dos seus clientes via telefone.

O que parece é que o modelo do futuro, que deve oferecer melhores produtos, melhores preços e estabelecer uma relação de 100% on-line atitude é perturbador e o leva para uma operação bem próximo corretores de seguros on-line.

Cabe ao consumidor a tomar os cuidados necessários para contratar o seu seguro ,analisando as possibilidades, e comparando as ofertas do novo canal, lembrando que nem tudo é como ele aparece nos anúncios, no momento em que ele se envolve em um acidente no mundo real.

A operação da Youse Seguros gera polêmica

Corretores de seguros em guerra na Susep e no tribunal contra a plataforma on-line da Caixa para a Seguradora. Saiba como é o consumidor nesta luta

São Paulo – Com apelo jovem e moderno, Youse seguros, uma subsidiária da Caixa,a Seguradora, a ser lançado no mercado envolta em um ar de inovação para permitir o seguro de automóvel, vida e o lar pode ser adquirido totalmente online, sem a intermediação de corretores de seguros.

E ele vai mais longe: as proteções podem ser personalizados (o consumidor pode escolher as coberturas que deseja adicionar seguros), o que pode torná-los mais baratos que a média do mercado.

O posicionamento agressivo tem gerado polêmica entre as entidades dos corretores de seguros, que afirmou que a empresa “engana o consumidor, afirmando que o corretor de seguros não é necessária”.

A denúncia feita à Youse seguros efectuar alterações ao texto publicado em seu site e deixar mais claro que o seu funcionamento é, sim, negociado por um corretor de seguros, no caso de o consumidor quer fazer perguntas no momento da contratação da proteção online.

A luta chegou a Superintendência de Seguros Privados (Susep), e para a Justiça, quando essas entidades têm verificado que, apesar da publicidade e a operação do site, o registro do Youse seguros como um ser independente, companhia de seguros ainda não foi aprovado pelo órgão regulador.

Para se adequar, para Youse seguros destacou em seu site, incluindo, em seu próprio logotipo, proteções vendidos hoje são os mesmos vendidos pela companhia de Seguros. A empresa argumenta que, embora seu registro não sai, ele funciona apenas como uma plataforma de vendas da Caixa.

Mas este argumento não parece ter convencido de que a Susep, de acordo com a nota enviada pela agência para EXAME.com. “A atuação, na forma descrita, está sob investigação e revisão pelo Conselho de Supervisão da Conduta, porque, pelo menos em teoria, parece não haver qualquer disposição legal”.

A luta tem pontos semelhantes ao que ocorreu entre o pedido de aplicação do controlador Uber com os motoristas de táxi , por conta do preço mais acessível cobrado por um novo modelo de venda, no qual a tecnologia tem um papel forte.

Afinal, como é que o consumidor nessa luta? A venda direta de seguros, totalmente on-line e personalizado, é positivo para quem comprar o seguro?

O consumidor tem direito à informação youse seguros

A venda direta de seguros, sem a intermediação de corretores, é permitido por lei. De acordo com a Susep, o seguro pode ser contratado através de um corretor de seguros devidamente autorizado e registrado na Susep, ou diretamente dos proponentes ou seus legítimos representantes, junto a companhias de seguros.

O problema é que, como explicou o especialista em seguros Gustavo Mello, quem comprar o seguro através da internet não é como a compra de um livro. “São muitos detalhes que precisam ser observados”. Além disso, a criação de Mello, um corretor de seguros compara preços de protecção a várias companhias de seguros para oferecer a melhor opção para o consumidor.

Questionado sobre se o modelo de Youse seguros gostaria de deixar o consumidor desprotegido, a Empresa argumenta que é um direito básico do consumidor de seguros, como em qualquer tipo de relação consumerista, receber a informação de forma transparente e adequada. “É necessário entender que o seguro tem suas nuances e o tecnicismo, de seus contratos e, também, que, em determinadas situações, se você vai estar lidando com consumidores vulneráveis ou hipossuficientes”, diz o órgão, em nota.

É o que também defende Maria Inês Dolci, diretora da associação de consumidores Proteste. “Desde que oferece todas as condições para que o consumidor faça uma escolha consciente e ser muito transparente sobre os termos e condições do contrato de venda direta não fere o direito que o consumidor tem à informação. Sabemos que a contratação de serviços está se tornando menos e menos cara-a-cara por causa da tecnologia.”

De acordo com Youse seguros, em nota, “tanto a plataforma digital e as condições contratuais do produto de linguagem simples, clara, direta e acessível para o consumidor, tornando-se familiarizado com a linguagem, processos e características dos produtos de seguros. E se ainda resta alguma dúvida, oferecemos canais de atendimento com equipe altamente especializada para atender o cliente da melhor maneira possível”.

A plataforma também afirma que todas as informações contratuais e legais que são fornecidos para o cliente durante toda sua experiência na plataforma de vendas.

Além dos canais de atendimento, o cliente pode consultar com antecedência as condições contratuais do serviço desejado; ele ainda vai ser informado das características de cada cobertura na escolha do processo (pré-venda), e a plataforma encaminha eletronicamente o resultado de sua contratação.

Modelo exige cuidado youse seguros

Com o novo modelo proposto pelo Youse seguros, o consumidor precisa, mais do que nunca, leia todo o contrato. “Quando o consumidor contrata um serviço diretamente, presume-se que você sabe quais são suas necessidades, não basta saber se a proteção cabe no seu bolso”, diz Maria Inês, do Proteste.

Esta regra é especialmente válido para o seu próprio Youse seguros. O preço mais acessível cobrado sobre a plataforma tem um por que, que não é exatamente o fato de personalizar o seguro, com o mínimo de cobertura: a plataforma vende proteções mais simples do que aqueles vendidos por outras seguradoras.

No seguro de carro, por exemplo, Youse segurosnão cobre perdas parciais de colisões ou danos à propriedade de terceiros. A esta conta, não cobra uma franquia dos seguros (ver por que a franquia é importante). Já no seguro de vida plataforma, o segurado tem um período de carência de 18 meses para ter direito à indenização.

Este é o ponto em que Fenacor disse ser o foco do conflito. “Fenacor não luta Youse seguros para garantir a exclusividade e a reserva de mercado para os corretores. Nossa intenção é, acima de tudo, defender os interesses dos consumidores”.

A limitação de cobertura do seguro de vida, diz a entidade, em nota, “é apenas uma das armadilhas escondidas nas condições contratuais impostas pela empresa, que não está autorizada a operar (…). O Youse seguros está muito longe para olhar com a aplicação de transporte de passageiros Uber. Tem muito mais semelhanças com o de van de transporte alternativo irregular”.

Procurar

Devido a diferenças na cobertura entre os seguros vendidos no mercado, os especialistas aconselham os consumidores a sempre realizar uma pesquisa antes de optar por uma proteção. “A própria liberdade para personalizar uma proteção pode ter um custo embutido que pode torná-lo de desvantagem com relação a outros existentes no mercado”, diz Maria Inês, do Proteste.

Além disso, dependendo da diferença de preço entre as proteções, um seguro mais completo pode ser vale a pena, já que minimiza o risco de o segurado ter prejuízos no futuro.

Uma vez aprovado, como seguradora, Youse seguros quer passar para para comercializar produtos em si. Apesar de ter a intenção de completar seu portfólio de produtos, diz, em nota, que vai continuar a oferecer as proteções “- simples, acessível e personalizável”.

Fonte: exame.abril.com.br/seu-dinheiro/uber-dos-seguros-operacao-da-youse-gera-polemica

Fonte: www.sindsegsp.org.br/site/noticia-texto.aspx?id=26156